,

Quais são os tipos de transplante?

Já ouviu falar de transplante de órgãos durante as aulas de imunologia? Sabia que existem diferentes tipos de transplante?

Antes de tudo é necessário entender que o transplante nada mais é do que um tratamento para a substituir órgãos e tecidos (enxerto) que não funcionam por órgãos ou tecidos saudáveis. Em suma, quem recebe o enxerto é o receptor e quem doa é o doador. Os tipos de transplante classificam-se de acordo com diferentes critérios como o tipo de órgão ou tecido transplantado, a relação entre o doador e o receptor, e a compatibilidade imunológica. Vamos entender agora como os transplantes são classificados.

Tipos de transplante

Alogênico: É o tipo mais comum de transplante, em que o órgão ou tecido é transferido de um doador para um receptor. Nesse caso, o doador pode ser um parente próximo, um parente distante ou uma pessoa não relacionada, desde que haja compatibilidade imunológica adequada.

Singênico: Esse tipo de transplante envolve a transferência de órgãos ou tecidos entre indivíduos geneticamente idênticos, como gêmeos monozigóticos.

Xenotransplante: O órgão ou tecido é transferido de uma espécie para outra. Um exemplo é o uso de válvulas cardíacas de porco em cirurgias cardíacas. É um campo de pesquisa em desenvolvimento, onde estuda-se até mesmo o transplante de órgãos inteiros. O principal desafio imunológico ainda é a rejeição hiperaguda devido a presença de anticorpos naturais contra células de outros mamíferos.

Está gostando desse conteúdo? Aproveite o CURSAU RESUMOS e turbine seus estudos! Está pronto para facilitar sua vida acadêmica? A CURSAU RESUMOS chegou para te ajudar! Acesse agora
a imagem ilustra os diferentes tipos de transplante

Mas afinal, o que é a rejeição?

A rejeição corresponde ao reconhecimento dos antígenos do enxerto pelo sistema imune adaptativo, principalmente linfócitos T e anticorpos, resultando na destruição do tecido.

O tipo mais comum de rejeição é a rejeição aguda que ocorre nos primeiros seis meses após inserção do enxerto. O uso de drogas imunossupressoras é eficaz em conter essa rejeição visto que atuam inibindo a proliferação de células T.

Gostou desse conteúdo e é estudante da área da saúde? Entre no link para assinar a nossa plataforma. Lá temos diversas aulas de imunologia e outras matérias, além de cursos clínicos, palestras e muito mais.

Referências bibliográficas:

ABBAS, Abul K.; PILLAI, Shiv; LICHTMAN, Andrew H.. Imunologia celular e molecular. 9 Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2019, 565 p.